Testes auto

Volvo V60 D2 DRIVe Momentum

Já é possível ter a carrinha mais moderna da Volvo por mais mil euros do que a acanhada V50 1.6 Drive e por menos quatro mil do que a V60 D3. A V60 D2, com um motor 1.6 Diesel, arranca nos 35 mil euros sem que isso implique um arrombo nas suas qualidades.




É fácil supor que uma carrinha com 1,5 toneladas de peso em vazio e 4,60 metros de comprimento ficará submotorizada com um pequeno bloco de 1,6 litros Diesel. Mas a resposta será sempre directamente proporcional ao nível de exigência, desde que se cumpra um mínimo. E a V60 D2, que tem um motor com 115 cv e 270 Nm (igual ao da V50 e de origem PSA) cumpre, em qualquer análise, os mínimos.

Carrinhas Volvo grandes com motores pouco potentes, não são novidade. Lembre-se da carismática e enorme 960 Diesel dos anos 90, que com um peso equivalente ao desta V60, também contava com os mesmos 115 cavalos de potência e 225Nm de binário, um valor muito abaixo daquele que este D2 garante. Com a actual política fiscal e a evolução dos motores Diesel, esta cilindrada significa baixos consumos e emissões, o que hoje é sinónimo de uma imensa poupança: mais de quatro mil euros no preço inicial face à D3, quase todos abatidos na diferença do ISV, e menos de 7 l/100 km com muita facilidade.

E anda que chegue?
A V60 D2 é, obviamente, mais afectada pelo peso a bordo e pelas subidas do que as suas irmãs mais potentes. Face à D3 gasta uns significativos três segundos adicionais na tradicional aceleração dos 0 ao 100 km/h e repete a diferença nos primeiros mil metros de arranque. Mas mesmo sem uma máquina de medições, há algumas situações nas quais sobressaem as limitações da V60 D2.

Nas subidas íngremes é obrigatório levar o motor acima das 1500 rpm para se vencer a inércia. Arranques apenas ao “ralenti” não são para este Volvo, ainda que o motor não se cale com facilidade. O travão de mão, com função de libertação automática é uma ajuda, mas seria ainda mais prático ter um sistema de auxílio ao arranque em subidas (hill-holder), que a V60 não tem.

A segunda maior limitação sente-se em viagem, principalmente com a lotação esgotada. Os 190 km/h de velocidade máxima não são utópicos e mantêm-se os 130/140 km/h de velocidade de cruzeiro com suficiente facilidade, mas a primeira das muitas serras que as nossas auto-estradas atravessam de Norte a Sul obrigará a reduzir de sexta (a única posição da caixa que não tem uma engrenagem natural, nesta unidade) e, às vezes, de quinta. Na V60 D2 o taquímetro sobe muito mais depressa do que o velocímetro.

Por outro lado, na utilização quotidina e citadina, que ocupa a esmagadora maioria dos automóveis deste segmento, a linearidade deste motor 1.6 entre as 1500 e 3500 rpm não sublinha a menor agilidade face, por exemplo, a uma carrinha do segmento inferior. E o melhor de tudo é que se consegue andar nesta vida por uns bons mil quilómetros com um único depósito.

 


Últimas entradas (no item)

Top (no item)

Assine já

Edição n.º 1294
Já nas bancas

digital papel

saiba tudo sobre a sua marca

mais pesquisadas Ver todas up down