O ASX é apreciado por muitos pelo espaço e linhas tipicamente nipónicas. Em fim de ciclo, o SUV torna-se mais apetecível nesta Tokyo Edition, sobretudo pela boa relação preço-equipamento.  Aqui na variante gasolina!

O ASX foi lançado em 2010 e está prestes a conhecer outro restyling. Talvez seja essa a razão desta Tokyo Edition, uma edição recheada de equipamento, proposta a um bom preço, disponível com o motor 1.6 DI-D com 114 cv (4x2 e 4x4) e 1.6 MIVEC a gasolina com 117 cv. A versão a gasolina é a mais apetecível pois é 5450 euros mais em conta que a Diesel. Entre o equipamento de série desta edição, destaque para as jantes de 18 polegadas, sensores de estacionamento traseiro e ar condicionado automático. Como se isso não bastasse, há ainda vidros traseiros escurecidos, sensores de luz e chuva, espelhos com rebatimento elétrico, barras de tejadilho em preto, sistema de ajuda ao arranque em subida, sistema de arranque sem chave e cruise control. Além do equipamento, o SUV nipónico sobressai entre os demais pelas excelentes quotas de habitabilidade, incluindo nos lugares posteriores, em altura e em comprimento, mas também pelos 416 litros de capacidade da mala. O tablier tem um aspeto datado e predominam os plásticos duros, mas é bem construído e robusto. A unidade ensaiada, a gasolina, é a escolha ideal para quem faz a sua vida na cidade. O 1.6 atmosférico revela-se, contudo, pouco pujante (sendo mais assertivo sobretudo acima das 4000 rpm) e a caixa de cinco velocidades não favorece os consumos. Sem ser particularmente divertido de conduzir, é fácil de manobrar a baixa velocidade. O conforto, boa insonorização e raras vibrações no habitáculo são outros dos pontos fortes do SUV. O banco do condutor, em tecido, tem ajuste em altura e profundidade. Atrás, os bancos rebatem 60:40.

Assine Já

Autohoje nº 1425
Já nas bancas

Digital Papel

Top

Os mais recentes