Fenómeno de vendas, o Qashqai carateriza-se por uma relação preço/equipamento sem rival no mercado nacional. Nesta nova versão N-Connecta, esse fator revela-se ainda mais evidente, tornando o SUV nipónico mais tentador. Saiba porquê.

Lançada em janeiro de 2014, a segunda geração do Nissan Qashqai continua a transportar a coroa de louros do modelo original, acrescentando mais-valias como um interior mais apelativo, melhor construção e maior refinamento na condução. Como se isso não bastasse, em Portugal, o SUV japonês possui uma relação preço/equipamento imbatível, com uma política comercial agressiva, descontos, apoio à retoma, campanhas centradas no financiamento, oferta da extensão da garantia, e muitas mais. Como exemplo, só nesta nova versão de equipamento N-Connecta, a oferta de equipamento equivale a 2900 euros. Na unidade ensaiada, o motor 1.6 dCi com 130 cv, dotado de um sistema de recirculação dos gases do escape a baixa pressão em circuito frio, propicia consumos razoáveis. Sem ser um primor de dinâmica, o propulsor revela acelerações progressivas e torna descontraído e despreocupado o ato de conduzir. O Qashqai denota apenas dificuldades a baixos regimes e no controlo de movimentos da carroçaria, mas, depois de embalado, sente-se a sua destreza, sobretudo em ultrapassagens. A caixa manual de seis velocidades está bem escalonada e tem engrenagens suaves. Bem insonorizado, o SUV possui no conforto um dos seus grandes atributos (com o auxílio dos amortecedores de pistão duplo), apesar das jantes de 18”. A posição de condução elevada é bastante agradável, assegurando uma visão ampla da estrada, e os bancos são aconchegantes, com um bom apoio lombar. O Qashqai revela-se prático, com uma mala grande, contando com um piso variável, bastante útil. Apesar disso, o espaço atrás podia ser um pouco mais generoso. No interior, destaca-se ainda o teto panorâmico em vidro e uma qualidade dos materiais acima da média.

Assine Já

Edição nº 1454
Já nas bancas

Digital Papel

Top

Os mais recentes