O Cactus caiu tão bem no gosto popular que talvez não precisasse fazer mais ondas. Mas fica-lhe lindamente este arranjo jovem e radical e a Citroën não podia perder a oportunidade de se associar a uma das marcas preferidas dos surfistas.

Domingo de agosto, praias cheias e uma vila da Ericeira, conhecida pela sua reserva mundial de Surf, teve uns quantos surfistas interessados por um C4 Cactus em vermelho vivo. É uma das cores exclusivas da nova série especial em associação com o gigante de material desportivo australiano Rip Curl, mas grande parte da atenção concentrou-se nos decalques em vinil, que funcionam como uma espécie de tatuagens, nas barras do tejadilho para ajudar a transportar as pranchas e, claro, nos airbumps. Ao fim de tanto tempo, os curiosos ainda apalpam para ver se é verdade que não se deformam... Perguntam que motor tem: o “nosso” exemplar é um Diesel de 100 cv. Não é extraordinário, faz o que é preciso e nem gasta muito, mas a série especial Rip Curl tem disponível um outro, a gasolina, 1.2 Turbo de 110 cv, que acelera muitíssimo bem e até consome igualmente pouco. O que não desperta muito a curiosidade dos surfistas, mas devia, é a estreia do Grip Control, que ajuda a “desenrascar” no caminho para a praia, sobretudo naquela parte em que já há mais areia que piso firme, Experimentámos e vimos a funcionar, primeiro de dentro e depois fora do carro: o Cactus, com pneus “Mud&Snow” que até nem fazem nenhum milagre pela aderência em alcatrão, esgravata pelos sulcos de areia fina à procura de uma nesga de tração, e ao fim de uns segundos persistentes progride até sair do apuro. Não é um todo-o-terreno, não. Mas para safar a vida a um tração dianteira não funciona nada mal. Só por isto os 500€ de diferença para a versão Shine estão pagos.

Assine Já

Autohoje nº 1425
Já nas bancas

Digital Papel

Top

Os mais recentes